Resenha | As Crônicas de Marte



Quinze contos inéditos escritos por grandes autores de ficção científica reunidos pela primeira vez num só volume. Uma princesa de Marte e As crônicas marcianas, dos mestres Edgar Rice Burroughs e Ray Bradbury, foram clássicos que influenciaram a imaginação de milhões de leitores e mostraram que aventuras espaciais não precisavam se passar numa galáxia distante, a anos-luz da Terra para serem emocionantes. Elas podiam ser travadas logo ali, no planeta vizinho. Antes mesmo do programa Mariner e da corrida espacial, a imaginação já povoava nosso sistema solar com seres estranhos e civilizações ancestrais, nem sempre dispostos a fazer contato amigável com a Terra. E, de todos os planetas que orbitavam o nosso Sol, nenhum tinha uma aura de maior romantismo, mistério e aventura do que Marte. Com contos escolhidos e editados por George R. R. Martin e Gardner Dozois, As crônicas de Marte retoma esse sentimento ao celebrar a Era de Ouro da ficção científica, um período recheado de histórias sobre colonizações interplanetárias e conflitos antigos. Para essa missão, autores consagrados como Michael Moorcock, Mike Resnick, Joe R. Lansdale, S. M. Stirling, Mary Rosenblum, Ian McDonald, Liz Williams e James S. A. Corey foram convidados a revisitar o misterioso planeta vermelho, aqui representado como um destino exótico e desértico, com cidades em ruínas, civilizações impressionantes... e, é lógico, perigos inimagináveis. Enfim, o bom e velho Marte está de volta.

Título As crônicas de Marte | Autor (aGardner Dozois, George R. R. Martin
Editora Arqueiro (Livro cedido pela editora) | Páginas 496 | Ano 2018
Adicione Skoob
Compre Oferta Amazon


Para iniciar essa resenha, a primeira coisa que quero frisar é que Marte não poderia ter sido mais bem retratado do que por esse compilado de contos, organizados pelos excepcionais George R. R. Martin e Gardner Dozois.

Marte, nosso vizinho que sempre intrigou o imaginário de muitos, é apresentado em quinze contos de diferentes autores, onde em cada um deles, podemos quase que literalmente, embarcar em incríveis aeronaves ou navegar impossivelmente em uma simples embarcação e não sofrer dos males de se estar no vácuo do espaço e ainda conhecer os mais singulares cenários desse planeta vermelho, que se difere entre si e conquistam com suas peculiaridades.

É muito difícil comentar sobre todos os contos individualmente, talvez por ser uma tarefa quase impossível, pois em sua maioria, são curtos e todos com enredos bem desenvolvidos. Mas desses quinze, alguns me chamaram mais a atenção e conseguiram fazer com que me sentisse presente nos acontecimentos narrados. Como é o caso de "Sangue Marciano", do autor Allen M. Stédile, que apresenta um Marte habitável e turístico, onde humanos nascem e vivem no planeta e convivem com os marcianos, denominados como shatan. Semelhanças entre terráqueos e os shatan, acabam levantando a questão de descendência marciana e para comprovar isso, um astrobiólogo tentará conseguir sangue marciano, nem que isso resulte em uma guerra entre mundos, e também "O Acidente do Mars Adventure", de David D. Levine, um conto extremamente envolvente que acontece em um período histórico, com direito a reis e piratas. Aqui temos uma expedição a Marte, feita de uma maneira totalmente inusitada, já imaginou atracar no planeta vermelho?

São contos capazes de nos prender por horas a fio, ou de nos fazer adiar o término da leitura, para que possamos ter mais alguns momentos e seguir explorando e conhecendo a genialidade desses autores.

É uma experiência muito agradável se perder pelas páginas deste livro e de também sentir um gostinho da era de ouro da ficção científica. As Crônicas de Marte é, além de um compilado de incríveis e inéditos contos, um compilado de experiências e sentimentos, afinal, quem nunca sonhou em ser um explorador e desbravar Marte?

Todos os seus instintos de navegador marítimo lhe diziam que seu navio estava completamente tranquilo. Flutuando sob os balões, ele vagava junto com o vento, então nenhuma brisa refrescava o convés. (...) A  uma distância inimaginável, era possível ver todo o grande o globo da Terra: uma reluzente bola de vidro, envolta em azul e branco, suspensa no céu. Ele podia abarcar a largura do mundo com as duas mãos estendidas, os dedos bem abertos, da ponta de um polegar à ponta do outro.



GEORGE R. R. MARTIN é um roteirista e escritor de ficção científica, terror e fantasia de diversas séries e filmes de grande sucesso. É mais conhecido por escrever a série de livros de fantasia épica “As Crônicas de Gelo e Fogo”.

GARDNER DOZOIS já ganhou quinze prêmios Hugo por seu trabalho como editor, além de dois prêmios Nebula como escritor, na categoria melhor conto. Foi editor da Asimov’s Science Fiction por vinte anos e já escreveu e editou mais de cem livros, incluindo vários volumes da The Year’s Best Science Fiction.

5 comentários:

  1. Oie! Tudo bem?

    Eu achei a capa desse livro muito linda e com um tema que desperta o interesse de todos de qualquer forma, eu nunca li nada dos autores citados e pela sua resenha posso notar que são contos que retratam muito bem nosso planeta vizinho, irei dar uma olhada para compra-lo com certeza, e espero gostar da leitura!

    Bjss

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o livro e confesso que não sou muito de ler contos, narrativas curtos não me prendem tanto. Não sei se lerei, mas anotei a dica! beijos,
    Rafa-blog Fascinada por Histórias

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Apesar de eu ter gostado e muito da sua resenha, mas eu particularmente não gosto muito desse gênero, então por isso deixarei a dica passar.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Essa capa é linda demais, queria gostar de contos só para ter ele na estante, além do que o autor é mega prestigiado né? Uma pena eu não gostar de contos.

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Não é meu estilo de livro, mas lendo sua resenha fiquei super curiosa...
    Acho que por ser de contos possivelmente seria mais fácil eu dar uma chance, não para ler todo de uma vez, mas para ler aos poucou, um de cada vez talvez eu conseguiria me envolver mais. Até porque Marte sempre me deixa curiosa!!!
    Beijinhos,
    Lica

    ResponderExcluir


@hojeediadelivro