RECEBA NOVIDADES

Envie seu e-mail


11 de abr de 2017

5 obras que abordam a 2ª Guerra Mundial

Hoje é dia de livro 10💬
Esse é o evento mais triste e vergonhoso da raça humana. O ser humano moldou seu futuro e aprendeu, ou ainda tenta aprender, com os efeitos dessa guerra e com os atos de seus antepassados. Hoje temos muitos meios que exploram o tema, são filmes, séries e também livros, que estão aí para mostrar um pouco dessa época, como é o caso da série Band of Brothers. Nos livros, temos as narrativas que são capazes de nos passar um pouco da sensação de vida durante esse período.
É muito interessante e relevante conferir! Com isso em mente, resolvi separar cinco obras que abordam a 2ª Guerra Mundial para compartilhar aqui com vocês, espero que gostem!


A Guerra que Salvou a Minha VidaA GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA é um daqueles romances que você lê com um nó no peito, sorrisos no rosto e lágrimas nos olhos entre um parágrafo e outro. Uma obra sobre as muitas batalhas que precisamos vencer para conquistar um lugar no mundo.
Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando. Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor. A Guerra que Salvou a Minha Vida apresenta uma perspectiva da Segunda Guerra Mundial vista pelos olhos de uma menina que se transforma em refugiada no seu próprio país.


A menina que roubava livros: edição especial com capa do filmeA MENINA QUE ROUBAVA LIVROS mostra a trajetória de Liesel Meminger, contada por uma narradora mórbida, porém surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los em troca de dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. Essa obra, que ela ainda não sabe ler, é seu único vínculo com a família.
Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a cumplicidade do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que a ensina a ler. Em tempos de livros incendiados, o gosto de roubá-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito.
A vida na rua Himmel é a pseudorrealidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um jovem judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela história. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa desse duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto — e raro — de crítica e público.


Resultado de imagem para MAUS - A HISTÓRIA DE SOBREVIVENTEMAUS - A HISTÓRIA DE SOBREVIVENTE é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, Maus ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura. A obra é um sucesso estrondoso de público e de crítica.
Desde que foi lançada, tem sido objeto de estudos e análises de especialistas de diversas áreas - história, literatura, artes e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as duas partes reunidas num só volume. Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto.


O MENINO DO PIJAMA LISTRADO é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.
No livro conhecemos Bruno, de nove anos e que não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz ideia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.
Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai.


O MENINO NO ALTO DA MONTANHA nos apresenta Pierrot, que após ficar órfão, precisa ir embora de sua casa em Paris para começar uma nova vida com sua tia Beatrix, governanta de um casarão no topo das montanhas alemãs. Mas essa não é uma época qualquer: estamos em 1935, e a Segunda Guerra Mundial se aproxima. E esse não é um casarão qualquer, mas a casa de Adolf Hitler. Logo Pierrot se torna um dos protegidos do Führer e se junta à Juventude Hitlerista. O novo mundo que se abre ao garoto é cada vez mais perigoso, repleto de medo, segredos e traição. E pode ser que Pierrot nunca consiga escapar.

10 comentários:

  1. Oi,
    São todos livros muito bons.
    Eu gosto muito desse tema.
    Já li três livros da sua lista: A menina que roubava livros, O menino do pijama listrado e O menino no alto da montanha. E pretendo ler A Guerra que salvou a minha vida. Já li resenha falando muito bem do livro.
    Abrçs

    ResponderExcluir
  2. Sempre tentei fugir de livros sobre a guerra narrados por crianças, pq pensar que existiram e existem no meio desse caos todo, me deixa mal. Mas a minha ultima leitura foi "A Guerra que Salvou a Minha Vida" e me apaixonei pela historia, quem sabe agora eu não crie coragem e leia os outros?

    Abraços

    www.desconstruindooverbo.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oie! Tudo bem?

    Dos livros que você citou, o único que já li foi: A Menina que Roubava Livros e sai da leitura traumatizada, nossa foi perfeita e agoniante ao mesmo tempo e com toda a certeza indico o livro para os amantes desse tipo de gênero! Os outros ainda não li, mas tenho interesse, espero em breve conseguir ler eles!

    Bjss

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Os livros me parecem otimos, mas eu corro de livros com essa temática de guerra e narrado por crianças. Acho um cenário muito forte, mas quero ler todos dessa sua lista!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. É estranho mas nunca li nenhum desses livros, sempre tive muita vontade mas, por exemplo, a menina que roubava livros, parece nao ter me chamado a atenção desde a primeira página.

    Os dois ultimos da lista tenho muita vontade de ler, espero que eu tenha oportunidade futura de conhecer.

    Adorei seu blog,
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. O evento mais triste porém o que rende as melhores narrativas. Só não conhecia Maus. John Boyne é meu pupilo e admiro demais a escrita dele. Agora preciso ler este da DarkSide. Ótimas indicações!

    ResponderExcluir
  8. Oiii, tudo bem??

    Amei esse post, já li alguns e tenho os outros, amo!!!
    John Boyne tem vários de guerra e já li a maioria dele.
    Adoro.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem? Adorei seu post! Morro de vontade de ler livros assim, mas nunca tive oportunidade. Espero ainda ter essa oportunidade. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Dos livros que você citou, só li O Menino do Pijama Listrado e achei a história super envolvente e emocionante. Ganhei A menina que roubava livros no meu aniversário, mas ainda não li. Quero ler o mais rápido possível. Além disso, A guerra que salvou minha vida está também na minha listinha de futuras leituras.
    Adorei seu post e pretendo conferir os demais.

    Beijos

    ResponderExcluir


Copyright © 2014 | 2016, Hoje é dia de Livro
Versão 2.1 | Hoje é dia de Livro