RECEBA NOVIDADES

Envie seu e-mail


8 de ago de 2016

Resenha | A lenda de Materyalis, as Crônicas de Aliank

Andressa Santos 0💬
Livro A lenda de Materyalis, as Crônicas de Aliank (Vol. I)
Autor (a)  Saymon Cesar
Editora Novo Século
Selo Talentos da Literatura Brasileira
Páginas 240
Ano 2015
Classificação 3,5/5
(COMPRE EM OFERTA)
(CONTEÚDOS ESPECIAIS)

No princípio dos tempos, as sociedades de Hedoron acreditavam nos mandamentos dos servos de Materyalis, suposto deus criador do Universo e da vida. A lenda diz que a divindade se angustiou ao observar os atos corruptíveis das suas criaturas e atribuiu a si toda a culpa da imperfeição dos povos. Sua consciência atordoada separou sua essência em duas entidades, criadoras de ideologias extremistas que dividiram a crença das sociedades. Assim nasceu a materja, a guerra que visa a consolidação de uma verdade entre todas as raças. Avessa ao propósito da contenda milenar, surge uma sociedade secreta, que busca o único artefato capaz de desvendar o que realmente foi Materyalis e, assim, livrar os povos da dúvida que os condenou aos intermináveis confrontos. Mas, para chegar ao objetivo, é necessário usar a misteriosa aptidão de cinco indivíduos habitantes de Aliank, um reino dominado por contradições que podem apressar a ruína do mundo antes que a verdade sobre Materyalis seja revelada.
●●●

A primeira coisa que merece admiração no livro é sua nacionalidade, já que o gênero não é tão explorado quanto poderia ser no Brasil. 

"A lenda de Materyalis, as Crônicas de Aliank", vol. I, do autor Saymon Cesar, é uma fantasia publicada pela editora Novo Século, sob o selo Talentos da Literatura Brasileira, que conta a história de heróis em busca da verdade sobre a origem da realidade que os rodeia.


A estória foca na busca pelo Sinkra, um artefato que supostamente detém a "fórmula da criação da vida", pelos integrantes de uma sociedade secreta que se intitulam veniristas, os quais almejam acabar com a guerra ideológica chamada marteja.

O mundo é bem desenvolvido pelas 240 páginas que possui - tamanho razoavelmente curto comparado a outras fantasias que conhecemos. É escrito em terceira pessoa por um majurk - raça criada pelo autor - que foi incumbido de uma importante missão sobre a qual a narração se desdobra.

Logo no prólogo, em que é transcrita uma carta sobre os propósitos veniristas, tive a impressão de que a leitura seria maçante, já que a linguagem da mesma vai um pouco além da norma culta que já conhecemos - com pronomes e conjugações que são estranhos aos nossos olhos! Porém, assim que o primeiro capítulo chega, a leitura se tranquiliza e conseguimos manter o ritmo de leitura.


Dos personagens que encontrei no mundo de Saymon alguns já são familiares, como os elfos e, nós, humanos; já outros, como os majurk, nunca fizeram parte de uma leitura que tive - e esse é outro ponto interessante na obra, já que em uma fantasia o que se espera são seres diferentes dos que conhecemos, capazes de fazer bom uso de nossa imaginação fértil e transformá-la em um terreno arado com sementes já plantadas, que crescerão de acordo com o desenrolar da estória. Além de raças, Cesar também criou objetos mágicos e dons que podem acometer alguns indivíduos, características que também enriquecem seu livro e servem como corpo para o desenvolver da trama.

No todo, achei a leitura interessante. Apesar de os heróis não terem personalidades marcantes, muitas vezes sendo apenas o que se espera de seres com características opostas, completamente dentro do conceito de bem ou mal, certo ou errado, sem a dualidade com que nós estamos acostumados no nosso dia a dia e que torna personagens apaixonantes e mais reais, a trama principal é curiosa, valendo a pena a leitura do primeiro volume.

Ficamos no aguardo dos próximos volumes!

0 comentários:

Postar um comentário


Copyright © 2014 | 2016, Hoje é dia de Livro
Versão 2.1 | Hoje é dia de Livro